Nan Goldin

A obra “Ballad of Sexual Dependency” da fotógrafa americana Nan Goldin está na Bienal de SP. Goldin é natural de Boston, Massachussets e começou a fotografar aos 15 anos. Tornou-se conhecida por adotar o estilo gonzo na fotografia (é caracterizado pela participação do fotógrafo na cena, ele experimenta fisicamente da imagem). A artista se notabilizou por fotografar o cotidiano de sexo e drogas da cena new wave, pós punk americana.

Em “Ballad of Sexual Dependency” ela registra suas próprias experiências pessoais, o seu dia a dia e de seus amigos, sempre regados a drogas, bebidas, violência e sexo. As imagens são cruas, revelam a realidade da maneira mais simples possível, sem produção, sem firula. É como se a câmera fotográfica fosse uma extensão do corpo da artista, isso se prova pela coerência entre seu trabalho artístico e os meandros de sua vida pessoal.

Goldin costuma afirmar que suas fotos não retratam o underground nova-iorquinho, nem as prostitutas e travestis (personagens constantes em seu trabalho), mas sim imagens sobre o relacionamento entre homens e mulheres tal como é. Em uma das fotos, Goldin aparece ao lado de seu namorado Brian, logo após o sexo. Em outra imagem, ela aparece com o olho roxo, com um hematoma em forma de coração nas pernas.”Amor vem acompanhado de violência e dor”, afirma. “É sempre um embate entre a autonomia e a dependência”, disse em uma entrevista à Folha de São Paulo.

Dor é o sentimento mais presente na vida da artista. Ela mora há dez anos em Paris, disse que mudou de Nova Iorque porque todas as pessoas que ela amava e lá viviam, morreram. A fotógrafa raramente sai de casa e sequer sabe falar francês. Todos os seus amigos, retratados em sua obra, já morreram, a maioria deles de AIDS. O que acentua ainda mais a força de suas imagens como experiência pessoal, ela é uma sobrevivente.

A estética de seu trabalho lembra a das câmeras snapshots (famosas xeretas), isso só aumenta o clima de voyerismo e precariedade de suas fotos. É quase como se estivéssemos vendo um álbum de fotos pessoal, íntimo.  Com este estilo, Goldin fez escola e inspirou fotógrafos como Terry Richardson e Juergen Teller.

A exposição está em cartaz na bienal, no parque do Ibirapuera, que ocorre até o dia 12 de setembro. A entrada é franca.

Ps: A fotógrafa argentina Alessandra Sanguinetti também fará parte da bienal. Em breve um post sobre ela.

Be Sociable, Share!
This entry was posted in exposições e eventos, Grandes mestres, Referências Fotográficas and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Nan Goldin

  1. Pingback: Scopofília, o novo trabalho de Nan Goldin | Por trás da objetiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>