Arquiva no mês novembro, 2015

PERONISMO DERROTADO, MAS EVITA CONTINUA AMADA

quinta-feira, novembro 26th, 2015
EVA PERÓN

EVA PERÓN

 O peronismo, corrente política nacional-populista da Argentina inaugurada pelo general Juan Domingo Perón nos anos 1940, vive um momento de crise e cisão interna. E as eleições recentes naquele País demonstraram isso.  O fenomenal é que Perón está de novo ocupando espaços em toda a imprensa argentina, mesmo decorridos 41 anos de sua morte. Porém, impossível dissociar a extraordinária popularidade do general Perón da imagem de sua mulher Eva Perón que morreu em julho de 1952 e continua amada pelas gerações que vem se sucedendo.  Quando viajava para fora de seu País  ela era mais assediada pela imprensa do que o próprio marido, mas raríssimas vezes deu entrevistas.  Uma das poucas foi para a rádio Bandeirantes, a o repórter José Carlos de Moraes,  no dia 16 de agosto de 1947 em sua visita ao Rio de Janeiro

ÁRBITRO INVOCADO, XINGAVA OS JOGADORES

quinta-feira, novembro 19th, 2015

agomar martins
Agomar Martins foi árbitro de futebol por cerca de 20 anos nas décadas de 60 e 70. Gaúcho, ele apitou muitos clássicos do futebol brasileiro. Metido a valente, apesar da estatura física não ajudar muito, volta e meia, por qualquer bobagem ele se envolvia em bate boca com jogadores e dirigentes, como aconteceu no dia 12 de janeiro de 1974 no Pacaembú, no empate Corinthians 2 x Bahia 2, pelo Campeonato Brasileiro. O microfone da Bandeirantes com o repórter J. Hawilla captou tudo:

Depois que se aposentou do apito Agomar Martins passou a atuar no ramo da construção civil na região da Grande Porto Alegre. Flagrantes como esse são exclusivos do CEDOM – Centro de Documentação e Memória da Rádio Bandeirantes

POLÍCIA CHAMANDO!

quinta-feira, novembro 12th, 2015

Repórter Beija Flor

José Gil Avilé, conhecido pelo pseudônimo Beija Flor, foi um repórter policial dos mais populares do rádio paulista. Durante muitos anos o seu bordão “alô gente, polícia chamando” abriu espaço na programação da rádio Bandeirantes para as informações que Beija Flor transmitia direto do COPOM, centro de comunicações da Polícia Militar de São Paulo. Nos seus noticiários diários criou expressões que foram incorporadas ao linguajar da população, entre elas, safardelo, picareta, ver o sol nascer quadrado, comer capim pela raiz, tomar café de canequinha, casa amarela (prisão), preto no branco, hoje de uso geral. Tal era o interesse de Beija Flor pelas gírias da malandragem da época que estava escrevendo um dicionário para reunir essas expressões populares, livro que não chegou a concluir. Dos arquivos do CEDOM – Centro de Documentação e Memória da Rádio Bandeirantes, destacamos um boletim do saudoso Beija Flor durante um programa apresentado por Ferreira Martins em 1982:

José Gil Avilé – Beija Flor – morreu vitimado por um enfisema pulmonar, no auge de sua carreira, em abril de 1993, aos 49 anos de idade.

O MAIS QUERIDO CAIPIRA DO BRASIL

quinta-feira, novembro 5th, 2015

mazza3

Amácio Mazzaropi, nascido em 1912,  foi um dos grandes humoristas do rádio, tv, cinema, teatro  e também dos circos brasileiros. Vestia-se como homem simples do sertão personificando a figura do caipira.  Em 1961, Mazzaropi adquiriu uma fazenda onde iniciou a construção de um estúdio de gravação, que produziria seu primeiro filme em cores, Tristeza do Jeca.  Cinco anos mais tarde, lançou o filme  O Corintiano,  recorde de bilheteria do cinema  nacional. No total ele participou de 32 filmes, a maioria produzida  por ele mesmo.

Mazzaropi nunca se casou, mas, segundo declarações de seu filho André,  o pai nutriu durante a vida um amor “platônico” pela apresentadora e amiga Hebe Camargo.  E isso fica transparecido numa entrevista  que ele deu para a apresentadora em setembro de 1979,  quando ela tinha programa na TV Bandeirantes:

Durante sua vida Mazzaropi sempre foi duramente atacado, ou ignorado, pela crítica sempre metida a intelectual, como aliás fazia com Adoniran Barbosa a quem rotulava de analfabeto.  Hoje todos reconhecem que Mazzaropi foi realmente um dos maiores humoristas deste País.  Ele morreu em 1981  após 26 dias de internação no hospital Albert  Einstein para tratamento de um câncer na medula óssea. Tinha então, 69 anos de idade.