Uma final inesquecível

Filed under: Sem categoria — hkaram @ 12/07/2010 23:37

Foi um domingo que vou guardar pra sempre na memória. Minha Copa do Mundo começou há 10 meses quando desembarquei em Joanesburgo pra cobrir os preparativos do mundial. Durante o torneio, viajei por várias cidades (Porto Elizabeth, Bloemfontein. Rustemburgo, Polokwane e Cidade do Cabo) para cobrir os jogos. Foram 11 no total. Acompanhei bem de perto os clássicos entre Alemanha e Inglaterra, Espanha e Portugal e Alemanha e Argentina. Infelizmente vi o Brasil jogar apenas pela TV.

Gostei muito do que vi, especialmente nas partidas da Alemanha. Mas nada se compara com uma final de Copa do Mundo. O show de encerramento já foi emocionante. Uma apresentação simples e bem bolada que teve uma ajuda fundamental da tecnologia. A entrada de Nelson Mandela no gramado do Soccer City foi o ponto alto. Não gostaria de deixar a África do Sul sem ver este símbolo da luta por igualdade e justiça. Na minha modesta opinião, a personalidade mais importante ainda viva na atualidade. Morar no país de Mandela só ajuda a reforçar isso.

O jogo poderia ter sido melhor. As duas equipes fizeram força pra não conquistar o título. Erros grosseiros em várias oportunidades claras de gol. Sinceramente, torci pela Espanha. Não gostaria que a Holanda conquistasse o primeiro mundial justamente na África do Sul. Afinal, foram os colonizadores holandeses que criaram o Apartheid – regime de segregação racial que vigorou durante décadas no país. Uma época onde os sul-africanos nem ao menos podiam participar de uma Copa do Mundo. Sediar a competição? Nem pensar.

Na entrevista para fazer um balanço da Copa, o presidente da FIFA, Joseph Blatter, fez um agradecimento especial a Madiba – apelido pelo qual Mandela é carinhosamente chamado pela população do país. Mas voltando ao futebol, apesar das chances perdidas, não faltou emoção e violência. Foram muitas faltas e cartões amarelos. No fim, prevaleceu a força espanhola. Um país que não joga um futebol vistoso e aprendeu a ser eficiente.

Um título justo e merecido para o país que tem um dos melhores campeonatos nacionais do mundo. Uma festa vermelha no Soccer City e um momento inesquecível pra minha carreira. Em 10 meses na África do Sul, foram 25 mil quilômetros rodados, gravações em 45 cidades sul-africanas e um total de 230 reportagens para os telejornais da Band, além dos especiais da Copa. Isso sem contar este blog e as participações nas rádios Bandeirantes e BandnewsFM. Missão cumprida, hora de merecidas férias. Em agosto retomo o trabalho como repórter em São Paulo. Agradeço a todos que visitaram este blog e deixaram suas impressões durante esta temporada africana.

até breve,

Henri

Ironia histórica

Filed under: Sem categoria — hkaram @ 05/07/2010 12:13

holanda

Nesta terça-feira a Holanda terá a chance de conquistar uma vaga na final da Copa do Mundo 2010. O time quer acabar de vez com a fama de jogar um futebol bonito mas de poucos resultados. Os holandeses ganharam confiança ao eliminar o Brasil. Mas não seria uma grande ironia do destino a Holanda conquistar a Copa pela primeira vez justamente na África do Sul?

Foram os descendentes dos colonizadores holandeses, chamados aqui de africânderes, que criaram o sistema que segragava brancos e negros –  conhecido como apartheid. Um regime condenado no mundo todo que deixou a África do Sul isolada do mundo durante décadas. O país, inclusive, foi banido pela Fifa de competições internacionais.

Os anos passaram, Nelson Mandela foi libertado da prisão depois de quase 3 décadas e eleito o primeiro presidente negro da história sul-africana. Desde 1994, muita coisa mudou. Mas ainda resta um longo caminho a ser percorrido. A divisão racial ainda é marcante no país, apesar de uma grande e influente classe média negra ter surgido nos últimos anos. Quem percorre o país percebe rapidamente o contraste entre os habitantes. São muitos os carros de luxo que contrastam com favelas onde os moradores lutam pra ter o que comer.

E depois de 10 meses vivendo e conhecendo melhor a história e a luta deste povo, a pergunta não sai da minha cabeça: seria justo a primeira Copa no continente africano terminar com uma vitória holandesa?

Copa da insegurança

Filed under: Sem categoria — hkaram @ 30/06/2010 18:37

seg 1

Ao contrário do que muita gente previa, a Copa do Mundo tem transcorrido sem grandes problemas. O caos previsto por muitos não se instalou nas cidades que sediaram os jogos. Claro que nem tudo foi perfeito mas os sul=africanos têm se esforçado pra agradar. O grande problema é mesmo a falta de segurança. O número de roubos e furtos é grande. Toda vez que entro num dos estádios da Copa do Mundo me impressiono com a fragilidade do sistema de segurança montado pelos sul-africanos pra proteger os locais de competição. A revista sempre é feita de forma superficial. Mochilas e malas muitas vezes nem passam pelos aparelhos de raio-x.

Ontem, no jogo entre Portugal e Espanha, o que me impressionou primeiro foi o rigor na hora de entrar no centro de imprensa do estádio Green Point. Controle meticuloso. Até a câmera da TV passaram no equipamento de raio-x. Alguns minutos depois, fui gravar a chegada dos torcedores ao estádio. Pra minha supresa, descobri que só precisava passar por um portão com 2 seguranças e mais nada – sem detector de metal, raio-x ou qualquer coisa do tipo. Ou seja, numa entrada a revista é minuciosa. Na outra, nem olham sua credencial.

Outro ponto que me chamou a atenção. Voluntários que trabalharam em sedes onde a competição já terminou, estão usando as credenciais para acompanhar os jogos da Copa. Entram com facilidade em qualquer lugar. Não seria correto pedir as credenciais de volta depois que a pessoa terminar o trabalho?

O que mais me irrita é que depois de vários furtos de notebooks, os organizadores decidiram fazer um controle da entrada de computadores. É preciso registrar o computador todos os dias. Só que na saída, ninguem olha nada. Pura perda de tempo. A Copa do Mundo tem sido uma experiência muito interessante. Apesar de alguns problemas, os sul-africanos tentam de todas as formas agradar. Mas todas as noites, antes de deitar, o mesmo pensamento me vem à cabeça: ainda bem que Osama Bin Laden e sua turma não quiseram aprontar nada neste mundial!

Previsões furadas

Filed under: Sem categoria — hkaram @ 20/06/2010 22:23

bolao

Decidi participar de uma bolão da Copa do Mundo com colegas da Band. Ainda nem chegamos no fim da segunda rodada e já estou impressionado com a quantidade de previsões furadas que fiz. Incrível como tudo muda depois que a competição começa. Quando poderia imaginar que Gana teria dificuldade pra empatar com a Austrália ou que a Itália, atual campeã mundial,  iria empatar com a Nova Zelândia. Derrota da Espanha pra Suíça? Nem em sonho!

Fiz um bolão conservador. Apostei nos favoritos e estou entre os últimos na classificação. Mais do que ganhar ou perder, vale pela diversão. Sinceramente, esperava uma Copa com várias equipes se destacando e brigando pelo título. Mas não adianta. Pelo jeito será mais do mesmo. A fúria espanhola que sempre decepciona. Itália e França, precisando de uma renovação urgente,  devem voltar pra casa mais cedo. Fazendo uma análise da classificação é possível que todas as seleções sul-americanos passem paras oitavas-de-final. E todos os africanos sejam eliminados. Uma pena. Justamente no primeiro mundial disputado no continente.

A vitória do Brasil sobre a Costa do Marfim foi mais uma prova de que viemos com um time forte e preparado pra voltar com o hexa. A Argentina também já demonstrou que tem boas chances. Aliás, no meu bolão, os Argentinos terminaram em primeiro lugar. Será que pelo menos o campeão vou acertar?

ELES MERECEM

Filed under: Sem categoria — hkaram @ 10/06/2010 9:29

festa2

A festa que os sul-africanos fizeram ontem a tarde em todo o país foi uma emocionante demonstração de apoio a Copa do Mundo. Em Sandton, bairro de Joanesburgo onde os Bafana-Bafana estão concentrados, 200 mil pessoas foram desejar sorte aos jogadores. Comemoração assim depois de um título estamos cansados de ver. Mas uma festa deste tamanho antes do campeonato começar é algo inédito.

Com a chegada de amigos e colegas para acompanhar o mundial, tenho respondido a mesma pergunta várias vezes: a África do Sul é um país tão perigoso como se fala? A resposta é: não. Violência é um problema indiscutível. Mas pra quem vive numa grande cidade como São Paulo e Rio de Janeiro, pouca coisa muda. Ou melhor, muda sim. Aqui as pessoas ainda não precisam colocar películas para escurecer os vidros dos carros e nos cruzamentos é possível ver vários motoristas com a janela aberta. Depois de ler este texto, preste atenção nos nossos cruzamentos. Vai ser difícil encontrar um vidro aberto.

festa3

Ontem fui cobrir o treino de Portugal e conversei com jornalistas que foram roubados no hotel. Eles estão hospedados próximos a seleção. Uma espécie de hotel fazenda com chalés sem a menor proteção. Infelizmente, foram vítimas. Na Alemanha, em 2006, jornalistas também foram roubados durante a Copa. Esta situação pode se repetir durante o mundial? Pode e provavelmente vai. Em todas as partes do mundo existem pessoas que não gostam de respeitar as leis. Só que isso não impede que o país faça uma grande Copa do Mundo.

Confesso que sempre acompanho o torneio mas não costumo perder meu sono com a seleção verde-amarela. É a primeira vez que participo da cobertura do torneio e talvez por ter passado os últimos 9 meses na África do Sul, aprendi a admirar este povo alegre e festivo. A manifestação de ontem é apenas uma pequena amostra do que pode acontecer se o time passar da primeira fase. O grupo é difícil: África do Sul, França, Uruguai e México. Que me perdoem os mexicanos, nesta sexta-feira vou torcer muito para que o time de Carlos Alberto Parreira saia de campo vitorioso. A Copa do Mundo ainda nem começou e a torcida sul-africana mostrou que será a grande estrela da competição. Eles merecem!

festa4

BUSÃO DA COPA

Filed under: Sem categoria — hkaram @ 22/05/2010 12:22

bus2

Uma frota novinha para transportar os melhores jogadores do mundo. São trinta e dois ônibus personalizados com as cores e a bandeira de cada país. Os veículos podem levar até 39 passageiros. São equipados com televisão, sistema de som, geladeira e espaço extra para levar o material de treino.

Através de uma votação pela internet, torcedores escolheram mensagens de incentivo que foram pintadas nas laterais. No ônibus verde e amarelo a frase escolhida foi: Lotado. O Brasil inteiro está aqui dentro.

bus1

Os veículos são de um dos patrocinadores da Copa do Mundo e foram apresentados oficialmente hoje. Agora é torcer para que o ônibus da seleção rode bastante até a final da Copa no dia onze de junho.

A CONVOCAÇÃO DOS SONHOS

Filed under: África do Sul,Copa do Mundo,Futebol — hkaram @ 12/05/2010 10:21

dunga

Uma convocação sem surpresas, sem polêmicas e sem a menor graça. Foi a lista dos sonhos do técnico Dunga e não a lista dos sonhos dos brasileiros. Acompanhei pela internet a entrevista coletiva do técnico após o anúncio dos 23 jogadores. Mais uma vez, nada de surpresas. Dunga manteve a postura de sempre: quer comprometimento, privilegia o grupo em vez do individualismo e espera uma equipe unida para lutar pelo mundial.

A não convocação do atacante Adriano (para tristeza dos flamenguistas) foi mais do que acertada. O jogador fez de tudo para não ser chamado. Se fosse convocado na atual situação, Dunga estaria indo contra tudo o que prega. Grafite se deu bem e ficou com a vaga.

Nas outras posições, vários questionamentos. Por que não levou o golerio Vitor? Por que não fazer uma lista mais ousada com Neymar e Ganso? Por que… Por que… Dunga deixou claro que escolheu os jogadores que mais se adaptaram ao estilo dele no comando da seleção e acha que ainda é cedo para chamar os outros meninos do Santos (Robinho está na lista). Ganso ainda ficou entre os 30 e tem chance de disputar a Copa caso algum atleta se machuque.

O Brasil tem um bom time e muitas chances de voltar da África do Sul com o hexa. Mas os torcedores não devem esperar um futebol vistoso. O time vai no estilo Dunga: mais raça e amor a camisa do que espetáculo. Vamos esperar a Copa do Mundo começar pra saber se treinador fez a escolha certa.

PUXÃO DE ORELHA

Filed under: Copa do Mundo,Futebol — hkaram @ 04/05/2010 9:53

Toda vez que o secretário-executivo da Fifa, Jerome Valcke, encontra os correspondentes brasileiros na África do Sul é a mesma coisa. Perguntas e mais perguntas sobre a Copa de 2014 no Brasil. Primeiro, a preocupação era com o Morumbi (que ainda não teve uma solução final). Agora, o problema é com o atraso para o começo das obras nos estádios.

Muita gente acha que ainda estamos longe da Copa. Mas o tempo é curto. Daqui a 3 anos já acontece a Copa das Confederações que serve como teste para o mundial. A Fifa já avisou que não com o Brasil a mesma paciência que teve com os sul-africanos. Sinceramente, acho que este assunto ainda vai render muito. Como o próprio Valcke disse numa entrevista: é ano de eleição e pouca coisa vai acontecer. Veja o que o secretário-geral da Fifa disse (em inglês):


Download Video

DEIXE DE LADO SEUS (PRÉ) CONCEITOS

Filed under: África do Sul,Copa do Mundo,Geral — hkaram @ 24/04/2010 12:05
Prédios no centro de Joanesburgo

Prédios no centro de Joanesburgo

Este foi o tema de uma reportagem especial que escrevi para uma nova revista voltada para o público jovem das grandes cidades que chega as bancas em breve. A reportagem dava dicas sobre opções de aventura pra quem visitar o país da Copa. Mas antes, achei que era preciso falar um pouco deste país pouco conhecido dos brasileiros.

A África do Sul me impressionou muito positivamente. Existem setores avançados e outros com décadas de atraso. Joanesburgo poderia ser uma típica cidade americana com largas avenidas, ruas arborizadas, bairros espalhados, dezenas de shoppings e a necessidade de se usar o carro pra tudo. Os brasileiros costumam chamar Joanesburgo (Joburg ou Jozi são os apelidos da cidade) de São Paulo sul-africana. Uma região voltada pros negócios e que concentra o poder econômico do país. Já a Cidade do Cabo é o Rio de Janeiro por causa das belezas naturais. Realmente uma cidade linda com mar e montanha muito próximos e uma ótima estrutura para atender os turistas.

A qualidade das rodovias também me impressionou muito. Desde que cheguei em outubro do ano passado, rodei mais de 25 mil quilômetros pelo país e mesmo as pequenas estradas do interior são bem conservadas. A rede de telefonia celular também funciona até nos lugares mais distantes. Apesar de que para ligações internacionais é quase impossível falar mais do que 10 minutos sem que a ligação caia.

Cidade do Cabo: não poderia ser qualquer cidade no litoral europeu?

Cidade do Cabo: não poderia ser qualquer cidade no litoral europeu?

Os sul-africanos também são muito simpáticos, especialmente quando você diz que é brasileiro. Os negros são apaixonados por futebol e conhecem muito sobre os nossos jogadores.  Eles capricharam nos estádios da Copa. A qualidade e a beleza das construções chamam a atenção de todos. Mesmo que o estádio fique numa região quase rural com vacas pastando em frente a um dos portões, como presenciei em Nelspruit há 10 dias. Até os estádios mais antigos que serão usados na competição causam inveja aos estádios brasileiros.

Muita gente no Brasil tem aquele estereótipo de que África é um lugar de muita pobreza, bichos selvagens andando no meio da rua e violência. Assim como muitos estrangeiros pensam que vivemos em casas na árvore na floresta Amazônia. É claro que a natureza nesta região é exuberante e existe muita pobreza, mas a África do Sul é muito mais avançada do que os outros países do continente.

Agora a parte negativa. Existe uma paranóia de violência entre os moradores, principalmente os brancos. Quando cheguei, vários me deram conselhos como: nunca comentar com empregados sobre viagens, não guardar dinheiro em casa e evitar rodar pela cidade depois que anoitece. Realmente rodar por Joanesburgo durante a noite é um pouco complicado porque as ruas são muito mal iluminadas. Mas pra quem está acostumado com a violência no Brasil, nada aqui assusta muito e até agora não tive nenhum problema.

Internet é outra dor de cabeça. O serviço é caríssimo e de baixa qualidade. Pra se ter uma idéia, quando aluguei o apartamento onde moro, solicitei a companhia de telefonia a instalação de uma conexão banda larga. Fui informado que pra minha região só era possível fazer uso de internet discada, aquela que usávamos há mais de uma década no Brasil. A solução é usar os modems 3G das companhias de telefonia celular. É uma questão que atrapalha muito já que todos os correspondentes de TV usam a internet para transmitir o material.

A pobreza é outro ponto que chama a atenção negativamente. Existem favelas em todas as regiões do país onde pessoas vivem sem as mínimas condições de higiene. São barracos feitos quase sempre com chapas de zinco. O desemprego é uma realidade e atinge 1 a cada 4 trabalhadores.

Como disse no começo do texto – existem pontos positivos e negativos. Mas confesso que acho um exagero algumas reportagens que leio nos jornais brasileiros e principalmente nos europeus. É claro que todos sabem que esta será uma Copa do Mundo diferente. Terá menos infra-estrutura e mais calor humano. E está na hora de parar de procurarmos apenas o lado ruim das coisas. É bom nos preparamos. Assim que esta edição da Copa do Mundo acabar no dia 11 de julho, as atenções vão se voltar para o Brasil, sede do mundial de 2014. Qualquer tiroteio nos morros cariocas ou rebeliões do PCC em São Paulo vão ganhar destaque em todo mundo. Antes de julgarmos os outros, é preciso primeiro cuidar dos nossos problemas!


A SAGA DOS INGRESSOS

Filed under: África do Sul,Copa do Mundo,Futebol — hkaram @ 20/04/2010 9:02

2010FWC_ticket_sales
A decisão da FIFA de vender ingressos diretamente em bilheterias para os torcedores sul-africanos se mostrou acertada. Em apenas 5 dias foram vendidos mais 145 mil bilhetes que tinham ficado encalhados.

Desde o dia 15 deste mês, quem vive na África do Sul pode comprar as entradas por um preço mínimo de 120 randes (cerca de R$ 30,00).

Ainda restam cerca de quinhentos mil dos quase três milhões de ingressos pro mundial. Apesar do novo impulso nas vendas, a preocupação dos organizadores permanece para algumas partidas consideradas menos atrativas e disputadas em cidades menores como Rustemburgo e Nelspruit.

Bons exemplos são: Eslováquia x Nova Zelândia e Honduras x Chile. Para estes 2 jogos não foram comercializados nem 50% dos bilhetes.